domingo, 9 de julho de 2017

Lendas do Sporting:Vasques


Manuel Vasques, que morreu a 10 de Julho de 2003, nasceu no Barreiro, onde começou a trabalhar muito novo como aprendiz de carpinteiro na CUF, e aos 17 anos já jogava na equipa principal da Companhia, passando então para os escritórios como prémio pelos seus golos, que começaram a despertar os apetites dos grandes clubes de Lisboa.
Sobrinho de Soeiro o grande goleador do Sporting na década de 30 e o seu ídolo, Manuel foi alertado pelo tio para nunca assinar nenhum contrato sem antes falar com ele, e assim quando foi convidado pelo Benfica aceitou treinar, agradou mas não assinou, e foi então que o tio o levou para o Sporting, que chegou a acordo com a CUF, garantindo a contratação do promissor avançado.
Recebeu 18 contos no acto da assinatura, depositou-os no banco, e por razões sentimentais nunca os levantou. Começou então a ganhar 600 escudos por mês e rapidamente se impôs como titular na equipa principal do Sporting, integrando então a mítica linha avançada, que ficou conhecida como os Cinco Violinos
Dos cinco, Vasques era sem dúvida o mais virtuoso. Um jogador genial capaz de desenhar lances maravilhosos e de marcar golos de antologia, o que lhe valeu a alcunha de "Malhoa" um famoso pintor da altura, mas ao mesmo tempo havia dias em que parecia ter-se esquecido do seu talento em casa, e passava ao lado dos jogos, até porque nunca foi homem para grandes correrias, choques ou esforços desnecessários, o que nem sempre agradava aos adeptos.
Era capaz de jogar em todos os lugares da linha avançada embora actuasse preferencialmente como interior direito, e foi um dos maiores goleadores da história do Sporting, ao serviço do qual jogou durante treze épocas, conquistando oito Campeonatos Nacionais, duas Taças de Portugal e dois Campeonatos de Lisboa.
Pelo Sporting realizou quase quinhentos jogos, 349 dos quais oficiais, marcando 225 golos, o que o coloca no 3º lugar da lista dos maiores goleadores de sempre do Clube. Foi também o melhor marcador do campeonato português, em 1950/51, com 28 golos, dos 189 que marcou nesta competição, marca só superada pelo imbatível Peyroteo.
Em 1950 teve de optar entre o futebol e o emprego nos escritórios da CUF, chegou a hesitar, mas recebeu na altura uma excelente proposta do Benfica, que remeteu para o Presidente Ribeiro Ferreira, que imediatamente lhe duplicou o ordenado, e financiou uma empresa de frigoríficos que ele abriu na altura em sociedade com o seu amigo Travassos.
Jogou pela Selecção Nacional 26 vezes, marcando 7 golos, mas aí também foi prejudicado pela sua irregularidade, que o tornava num jogador muito discutido, principalmente pelos adeptos dos clubes adversários.
 Encerrou a sua carreira em 1959 com 33 anos, um percurso em tudo idêntico ao do seu sócio José Travassos, que chegou ao Sporting no mesmo dia que ele, e de Alvalade saiu também nessa altura. Posteriormente explorou a tabacaria do Estádio e trabalhou na Loja Verde, mantendo assim a sua ligação ao Clube, onde o seu nome será recordado para sempre como uma das suas maiores figuras.
 Em 1992 foi distinguido com o Prémio Stromp na categoria Saudade. Faleceu a 10 de Julho de 2003.

Sem comentários:

Enviar um comentário

POSTS MAIS LIDOS